15/01/2017

A SATISFAÇÃO DO RECOMEÇO DE UM CATADOR DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DE TUPANCIRETÃ

     Ao longo destes quatro anos de atividade junto a SMMA Meio Ambiente em Tupanciretã, tenho me dedicado entre vários assuntos a um especial em preparar e dar as condições adequadas aos " Catadores de Materiais Reciclados" e não é fácil, mas alguns pontos do "tripé" coleta seletiva ampla, ou seja - organização dos catadores (sim, com a criação da ARTMD Associação dos Recicladores), construção do Galpão de reciclagem (Sim, com apoio da UNICRUZ, PREFEITURA e PETROBRAS Ambiental), mas o Caminhão ainda não mas acredito que em 2017 se consiga visto aos projetos já encaminhados e ainda mais com a concretização do PMSB - Plano Municipal de Saneamento Básico cuja Lei Municipal foi sancionada em 29 de dezembro pelo Prefeito Guga.
   Mas hoje,15/01/2017, faço o seguinte relato:
   Em um passeio acompanhando amigos saímos sem rumo em direção a Santa Maria decidindo passar por São Martinho da Serra até pelos atrativos da "Placa" indicativa ao lado da BR 158 aonde descrevia que esta cidade tem Cachoeiras e produz pedras preciosas, chegando ao local próximo a praça
conversei com um morador de aproximado 70 anos e disse que existia 3 locais de cachoeiras mas muito longe e difícil acesso e o tal de local das pedras fica em direção a Santa Maria, um pouco decepcionados desistimos desta jornada seguindo pela estrada  "Perau velho" em direção a Santa Maria e no caminho ouvíamos a Rádio Nativa FM e o locutor enviava saudação as localidades e a uma nos chamou a atenção "...obrigado  ouvintes da localidade de Santo Antão que realiza a 169ª festa do seu padroeiro... muito bem seguindo a viagem e sem saber aonde andávamos como diz o outro...nos damos de cara com a Festa de Santo Antão e decidimos por ali ficar para almoçar escolhendo o Recanto do Borim, logo apos decidimos caminhar e lá pela tantas vi um cidadão de camisa polo azul com um crachá "
 identificado "Célio Lacerda" Rádio Imembui e de cara nos conhecemos lembrando deste exemplar cidadão em Tupanciretã até pouco tempo trabalhando, aqui,  coletando materiais recicláveis e morador no Bairro Elizabethe mas lembrando dos seus relatos por algumas vezes a sua alegria de ter sido rádio técnico e já ter trabalho em rádio como operador mas parou pelas dificuldades e pela nossa cidade trabalhou alguns anos neste suado e louvável trabalho de "Catador". Célio me relatou que resolveu voltar para Santa Maria com a família e pleitear uma nova chance no que ele sempre gostou e lá está funcionário da Rádio Imembui trabalhando e voltou a estudar e com a família reiniciar uma nova jornada. Compartilho este relato de vida e satisfação.

14/01/2017

CATADOR RECEBE RECONHECIMENTO E APLAUSO EM REDE NACIONAL DURANTE O JORNAL NACIONA


Chico Pinheiro encerrou a edição deste sábado (14/01/2017) do "Jornal Nacional" batendo palma para a história de um senhor de 72 anos, catador de lixo, pai de sete filhos e morador da cidade de Olinda (PE).

Há 24 anos, Sebastião Pereira Duque puxa uma carroça em busca de lixo para material reciclável e, mesmo com um pouco que ganha, ele ajudou a construir uma escola --que mantém 75 crianças entre 2 e 6 anos de idade – e a levantar barracos para pessoas que não tinham onde morar.

Ao fim, os dois apresentadores do "JN" parabenizaram Seu Sebastião pelo exemplo de solidariedade.

"Está aí, uma aula de sabedoria, de honestidade, para autoridades, políticos, para todos nós", disse Chico. "Sebastião é o cara", acrescentou Giuliana Morrone.

Chico concordou com a afirmação da colega de bancada e encerrou o "JN" batendo palma para o catador de lixo.

Na semana passada, Chico já havia chamado a atenção de internautas ao encerrar o "JN" do modo que todo mundo se sente quando encerra o expediente ao fim de uma semana.

"Graças a Deus que hoje é sexta-feira. É vida que segue”, disse o jornalista ao fim do noticiário em vez de usar o tradicional "boa noite".

Além do "graças a Deus", Chico também deixou o cenário do "JN" fazendo o sinal de "paz e amor".

10/01/2017

Colegas e amigos da Praça Frei Galvão 1970

   
A saudade é tudo de mais precioso que guardamos no âmago do coração. São doces lembranças que jamais o tempo apagará porque foram acalentadas com amor e a sublimidade de uma sincera amizade    Foi assim que, nos anos 70, a turma formada por Rejane Matilde Bueno , Maria Geni Bueno, Carmem Ciffi Pires, Luiz Fernando Coffy Pires, Ereni Benvinutti, Tânia Kruel, Leandro Kruel, Eroni Benvenutti, Rogério Bueno, Benhur Elgart, Regis Bueno e Nídia Souza Costa, eternizaram mágicos momentos da adolescência, com aventuras e brincadeiras numa fase tão amada das suas vidas, tendo como palco desta história a Pracinha dos Kruel, por eles jamais esquecida.
      E, para rememorar esse relicário de recordações, no dia 06 de janeiro de 2017, reuniram-se no Clube Comercial num Encontro de Confraternização, idealizado e organizado pelas colegas Rejane e Nídia, o qual foi marcado pela emoção, alegria, abraços e reminiscências. E lá não faltaram os doces da época, Maria Mole, Merengues, Pirulitos e, também, as pipocas. 
      Rejane e Nídia, felizes, foram perspicazes, não se esquecendo de nada. Tudo perfeito. A mensagem inicial do encontro, as apresentações com a história de vida de cada um, o amigo secreto, as homenagens especiais, as músicas da época, com o talento do cantor e violonista, Jorge Veiga, que fez um belíssimo show. Um lindo brinde de champagne foi o ponto alto. E, num descortinar dos anos 70, a hora dos causos, vividos com euforia e a participação coletiva, gargalhadas, lágrimas, e alegria mesclada de saudade..
     Foi servido um belíssimo jantar de confraternização, seguido de brincadeiras, enfim, foi uma sinopse de um tempo que jamais se apagará da memória desses verdadeiros amigos, que tiveram o privilégio de uma adolescência curtida na Pracinha dos Kruel, tão simples, mas com tanta graça e significado para a Turma dos Anos 70, numa história edificada com amor, respeito e união. 
Parabéns a essa turma maravilhosa que congregou amigos dos mais diversos municípios.

Texto: Jornal a Voz do Jarí
Imagens: Luis Afonso Costa